A manutenção deve se posicionar como uma função estratégica na obtenção dos resultados da organização. Esta deve estar focada em prover suporte e solucionar problemas da produção, maximizando qualidade e produtividade.

Para isso, é de extrema importância para a Gestão de Ativos, estabelecer um controle de gastos adequados, visando planejar ao máximo os custos diretos e indiretos dos processos de manutenção.

Custos estes compõem indicadores financeiros e de qualidade aplicada para contribuírem nas tomadas de decisões estratégicas e estratificar a performance do time de manutenção e sua gerência.

Quanto melhor planejadas forem as intervenções nos equipamentos, menor serão os custos atribuídos a esta e maiores serão os ganhos em produtividade, afinal, quanto menos falhas em determinados ativos tiverem sob um período, menor será o valor de reposição dele.

Felipe Souza

Gerente Regional da SIL – Gestão & Performance, é Bacharel em Engenharia Mecânica e Especialista em Engenharia Sanitária e Ambiental. Tem Larga experiência e conhecimento na área de Gestão de Ativos, Projetos Industriais e de Maximização de Performance e Produtividade de Equipamentos, PMOC, Projetos de Climatização e Centrais de Gases.

Deixe uma resposta